Um dia para combater o Câncer da Pele

Em todo o Brasil, o Dia C Contra o Câncer da Pele, promovido pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), foi realizado em 26 de novembro e significou o ponto de partida para o Dezembro Laranja, mês de conscientização da doença no país.

15-dez-2016

Em todo o Brasil, o Dia C Contra o Câncer da Pele, promovido pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), foi realizado em 26 de novembro e significou o ponto de partida para o Dezembro Laranja, mês de conscientização da doença no país. Em Minas Gerais a mobilização foi marcada não só pela grande quantidade de atendimentos, mais de 2600 pessoas passaram pelos nove postos de atendimentos em sete cidades do estado, com a detecção de quase 350 casos suspeitos de câncer, mas também pelas histórias das pessoas que enfrentaram filas e o calor para conseguir consultas e exames de qualidade.

Uma dessas pessoas foi D. Thereza Westphal, de 89 anos, que passou boa parte de sua vida no interior do Espírito Santo trabalhando na roça sem protetor solar, que não existia, ou roupas compridas, que eram caras. Assim como muitas famílias de imigrantes, no caso dela, alemães, D. Thereza e seus irmãos, ainda crianças, eram a mão de obra dos pais. “Ela trabalhou de sol a sol capinando roça”, explicou a filha Arlin Westphal, que a levou para participar do mutirão: “A pele dela tinha muitas lesões, fizemos um primeiro tratamento e agora outras lesões apareceram”. Da consulta, D. Thereza foi encaminha para a biópsia e, como queria a filha, vai ser acompanhada pelo serviço que a atendeu.

Para Luciana Cônsoli Fernandes Pimentel, coordenadora do Dia C em Minas Gerais, a campanha é importante, pois é a oportunidade para milhares de pessoas no Brasil serem examinadas e avaliadas por um dermatologista da SBD. “No mutirão, todos os anos, são diagnosticados pacientes com lesões malignas ou pré-malignas e o diagnóstico precoce de um câncer da pele é fundamental para uma maior chance de cura”, comenta a dermatologista.

Preocupadas com a saúde e sabendo da importância de um diagnóstico precoce, as irmãs Maria Bernadete, Maria Dirce e Maria da Conceição, de Belo Horizonte, participam de todas as edições do Dia C. Atendidas com muito carinho e atenção, este ano saíram com boas notícias: nenhuma lesão preocupante. Precisam somente visitar frequentemente um especialista.

Além de exames, os participantes do mutirão tiveram a oportunidade de acompanhar  palestras sobre como se prevenir dos danos causados pelo sol e, consequentemente, do câncer da pele.

Confira os números de atendimentos em toda Minas Gerais:

  •  Santa Casa – Belo Horizonte

700 atendimentos e 99 biopsias suspeitas de CBC

  • Hospital das Clínicas da UFMG – Belo Horizonte

627 atendimentos e 57 biópsias

  • Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário  da UFJF – Juiz de Fora

40 atendimentos e 8 casos de câncer

  • Hospital Meternidade Therezinha de Jesus  – Juiz de Fora

133 atendimentos e 6 casos de Câncer

  • Uberlândia:

277 atendimentos e 67 pacientes com suspeita clínica de tumores cutâneos

  • Uberaba:

216 atendimentos e 31 lesões de neoplasia

  • Curvelo:

44 atendimentos e 6 biópsias

  • Montes Claros:

346 atendimentos e 41 pacientes com suspeita de câncer

  • Alfenas:

247 atendimentos e 24 suspeitas de câncer