Psoríase

A  psoríase é uma doença inflamatória crônica da pele e das articulações mediada por fatores imunológicos….

29-jul-2013

A
 psoríase é uma doença inflamatória crônica da pele e das articulações
mediada por fatores imunológicos. A psoríase compromete a qualidade de
vida do paciente que, muitas vezes se sente rejeitado ou discriminado em
seus ambientes sociais e de trabalho. Caracteriza-se por lesões em
placas eritemato-escamosas (róseas ou avermelhadas), bem delimitadas,
recobertas por escamas esbranquiçadas, arredondadas, pequenas ou
grandes.
As lesões podem estar localizadas apenas em áreas de traumas
constantes na pele ( nos cotovelos, joelhos , região anterior das pernas
, região sacra e couro cabeludo) ou podem se espalhar por toda a pele.
Freqüentemente há acometimento das unhas que podem ficar espessadas e
com descolamento ( psoríase ungueal). Embora seja pouco freqüente,
existem casos em que as articulações das mãos, pés, tornozelos e joelhos
também podem ser afetadas, causando a artrite psoriática ( ou psoríase
artropática).
 De ocorrência universal, a psoríase
afeta quase 3% da população, acomete igualmente homens e mulheres, sendo
uma das dermatoses mais freqüentes na prática clínica. A doença pode
ocorrer em qualquer idade com picos de incidência na segunda e quinta
décadas de vida.
 
Os motivos que causam a psoríase
ainda não estão totalmente esclarecidos. As pesquisas científicas
demonstram que pode ser uma doença hereditária e nesses casos existe a
probabilidade de 30% de alguém na família manifestar a doença. Alguns
fatores podem aumentar ou desencadear a doença, como o estresse
emocional, traumas ou irritações na pele, infecções, tabagismo, álcool e
alguns medicamentos.
 Além dos principais tipos de psoríase (em placas, ungueal e artrite psoriática), existem ainda:
• Psoríase em gotas:  pequenas pápulas
avermelhadas, escamosas, que predominam no tronco e raiz dos braços e
pernas, ocorrendo geralmente em adolescentes ou adultos jovens, muitas
vezes após quadros infecciosos.

• Psoríase eritrodérmica:  com
acometimento de mais de 90% da superfície corporal, de caráter subagudo
ou crônico e acometimento do estado geral. Pode ocorrer por piora da
psoríase em placas ou da psoríase pustulosa generalizada ou como
manifestação inicial da doença.

• Psoríase pustulosa:  pode ser
palmoplantar (limitado a palmas e plantas) ou pode ser generalizada com
quadro de pústulas estéreis, febre e comprometimento do estado geral. Na
maioria das vezes, ocorre em doentes com psoríase em placas, após
exposição a fatores de piora tais como  hipocalcemia, interrupção de
corticoterapia sistêmica, infecção.

• Psoríase invertida:  com lesões localizadas em áreas de dobras (axilas, virilhas, região inframamária).

O diagnóstico é baseado na história do
paciente e no exame clínico feito pelo dermatologista, e nos casos
menos típicos pelo exame histológico de fragmento de pele colhido por
biópsia. A psoríase não causa manifestação nos órgãos internos. Por
isso, os exames de laboratórios têm pouca utilidade. 

No tratamento, a administração de
medicamentos diretamente sobre a lesão cutânea permite minimizar
possíveis efeitos colaterais em outros órgãos.  Nas formas leves de
psoríase , indica-se tratamento local com  xampus, cremes , pomadas ,
loções e géis (corticosteróides, coaltar, calcipotriol, tacrolimus e
pimecrolimus) usados isolados ou associados. Nas formas moderadas a
graves,  ou quando não há resposta ao tratamento tópico,  ou quando a
psoríase ocorre em localizações que comprometem a qualidade de vida do
paciente indica-se a fototerapia ou medicamentos que podem ser  de uso
oral (metotrexate, acitretina, ciclosporina) ou injetáveis (medicamentos
biológicos). É muito importante o uso diário de cremes hidratantes para
manter a pele com menos escamas, mesmo nos períodos de remissão da
doença. Deve-se evitar a manipulação das lesões para retirada das
escamas.
 

Andréa Machado Coelho Ramos
 

Médica Dermatologista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia